Após saque de contas inativas do FGTS, comércio continua confiante

Image result for Após saque de contas inativas do FGTS, comércio continua confiante

O Icec – Índice de Confiança do Empresário do Comércio, informa que a confiança do empresário, mesmo após os saques das contas inativas do FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, terem sidos injetados na economia, ainda continua em alta e com ótimas expectativas para os próximos meses.

O índice aponta para um crescimento na casa dos 12% em setembro de 2017, e segue comparação com o mesmo período em 2016. Em relação ao mês de agosto de 2017, houve uma pequena redução de 0,3% no que diz respeito a série ajustada sazonalmente. Todos esses dados foram atualizados e divulgados no dia 26 de setembro de 2017 pela CNC – Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Mesmo com essa redução no índice, os pontos no período chegaram a 104,8 pontos.

Esse resultado está acima dos 100 pontos neste período, o que demonstra uma onda de otimismo em relação aos empresários. A CNC informa que mesmo os saques das contas inativas do FGTS terem chegado ao fim, o otimismo ainda é percebido no mercado, mas a visão de otimismo dos varejistas sofreu uma queda de 1,5% no período de agosto de 2017.

A CNC espera um crescimento de 2,2% em quantidade de volume de vendas negociadas até o final de 2017. O montante injetado na economia aqueceu as condições de compra dos consumidores. Isso favoreceu diversos setores da economia, inclusive o setor de serviços, que teve um retrospecto de crescimento no fechamento do segundo trimestre de 2017.

Izis Ferreira, economista especializada da confederação, disse que o motivo para que isso ocorra é que: “Apesar da queda mensal, a melhora gradual no desempenho do comércio vem promovendo o aumento da confiança dos comerciantes ao longo do ano”.

O esperado é que as vendas tenham um aumento até o final do ano e acabem de vez com qualquer estigma negativo de redução das expectativas de confiança no comércio. A questão que também implica segundo a CNC, é que a criação de mais postos de trabalho pode afetar de vez o humor da economia do país.

Em relação a isso, o final de ano deve trazer melhores perspectivas, sendo que as contratações neste período tendem a aumentar devido a um número maior de vagas de empregos temporários.