Como não ser sufocado com os gastos do cartão de crédito e financiamento

Mesmo que você tenha o extremo controle de suas finanças, ainda assim não significa que você de fato está livre de imprevistos. Ao se tratar de orçamento doméstico, todo o cuidado deve ser redobrado para não haver sustos.

Especialistas em economia dizem que isso é comum acontecer, sendo que acontece até nas melhores famílias. Ou seja, até quem de fato controla os detalhes do que acontece no âmbito financeiro doméstico está sujeito a imprevistos.

Um dos maiores vilões nesta história de imprevistos é o cartão de crédito. Segundo esses especialistas em economia, o cartão de crédito é sem dúvidas o maior responsável por gastos excedidos dentro de um orçamento doméstico. Geralmente, o seu uso abre a porta para várias armadilhas, como o fato de comprar um produto sem necessidade e sem planejamento.

No Brasil o gasto com o crédito rotativo é extremamente rentável para os bancos e as instituições financeiras de um modo geral. Eles excederam a casa dos 300% de juros e não é uma opção viável, apesar de ser muito usado pelos brasileiros. Utilizar o cartão de crédito com planejamento e buscando pagar as compras à vista, é o que aconselham os especialistas.

Eles também falam sobre a importância de você estar atento aos financiamentos disponíveis no Brasil, principalmente em relação ao tempo oferecido. Os financiamentos representam um hábito muito comum na aquisição de bens, que também mostra que o brasileiro não tem o hábito de poupar para realizar compras a longo prazo.

Mesmo tendo em mente que aquele financiamento não vale a pena devido aos juros abusivos, ainda assim é a opção mais viável na mentalidade do brasileiro. Sem dúvidas essa é a opção menos viável. Uma das dicas é que em primeiro lugar a pessoa procure poupar dinheiro para fazer uma compra a longo prazo. É possível visar um imóvel ou um automóvel poupando dinheiro para isso, tudo é possível com planejamento.

Uma boa opção também são os consórcios que cada vez mais estão na moda. Eles ajudam na aquisição de um bem a longo prazo sem a cobrança de altos juros que os financiamentos cobram.