Crise econômica do Rio de Janeiro fecha 69 lojas por dia

Resultado de imagem para crise

O comércio no estado do Rio de Janeiro, registra recorde em crise financeira. Ao todo, são 69 lojas fechando as portas todos os dias, segundo o sindicato dos lojistas do Rio. Esse período de crise vivido pelo estado do Rio de Janeiro, marca a história como um dos momentos de maior crise para o comércio.

Mas não são só os varejistas que estão passando por esse momento ruim. A crise também pegou em cheio os funcionários públicos do Rio de Janeiro, que estão passando necessidades em casa por causa do atraso nos salários. Milhares de funcionários do Estado do Rio de Janeiro, se queixam de não terem nem comida em casa.

Uma fila de arrecadação de cesta básica revelou o tamanho da crise enfrentada pelos servidores públicos do estado do Rio de Janeiro. Sem comida na mesa, os servidores públicos chegam às 5 horas, bem de manhã, para poderem garantir o sustento da casa. Em postos de doações no Rio de Janeiro, vários servidores públicos foram flagrados retirando doações. São servidores públicos que estão em busca de alimentos básicos, como arroz e feijão.

O Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais do Rio de Janeiro – MUSPE, responsável pela arrecadação de alimentos, conseguiu arrecadar 500 cestas básicas, mas que não foram o suficiente para ajudar tanta gente.

Aos 79 anos, a professora aposentada Mariuza Conceição ficou onze horas aguardando na fila e não conseguiu receber uma cesta básica. Mas ela sensibilizou quem estava por perto com a forma que escolheu para protestar. “Eu pensei: não recebi a cesta, vou fazer o que? Então se eu estou triste eu vou cantar. Depois que eu comecei a cantar começou aglomerar pessoas a minha volta e eu acabei virando atração, por incrível que pareça”, disse Mariuza.

A voz de Mariuza provocou uma onda de solidariedade com doações de alimentos. A cozinha dela ficou cheia de comida graças as doações que tem recebido de pessoas que se comoveram com o problema dos servidores públicos do Rio de Janeiro. Mariuza faz parte dos mais de 200 mil servidores estaduais que estão com os salários atrasados há mais de 2 meses, sendo uma das maiores crises financeiras já vividas pelo estado.

O professor economista da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mauro Osório, explica porque o Rio de Janeiro está enfrentando essa crise. “Só esse ano o ‘buraco’ do estado do Rio de Janeiro é um ‘buraco’ de 20 bilhões de reais. Então o problema do Rio de Janeiro é falta de receita”, disse o economista, Mauro Osório.

A crise afetou em cheio também o setor privado. Nos últimos sete meses cerca de 500 mil pessoas perderam empregos com carteira assinada. Dor de cabeça também para os lojistas, a rua da Carioca, uma das mais tradicionais do Rio de Janeiro, se tornou hoje uma rua fantasma com as lojas todas fechadas.