Caixa Econômica teve crescimento nos seus lucros no primeiro trimestre

No primeiro trimestre desse ano, a Caixa Econômica Federal declarou ter tido um lucro líquido de R$ 1,488 bilhão, o que equivale a um aumento de 81,8% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando os lucros chegaram a R$ 818 milhões.

Esse lucro líquido foi devido ao aumento das receitas com as transações de crédito e pelo aumento nas prestações de serviços, diminuição das despesas com pessoal, administrativas e operacionais, e ainda a diminuição das despesas com captação de recursos, esses dados foram fornecidos pelo banco.

No quarto trimestre do ano passado, o banco apresentou um lucro de R$ 691 milhões, que em relação ao primeiro deste ano, verificamos um aumento no lucro de 115,3%. O lucro líquido é o dinheiro que sobra para a companhia depois que ela paga tudo o que deve, incluindo juros e impostos.

A taxa de inadimplentes fechou março em 2,83%, um pouco menor que os 2,88% em dezembro passado.

O índice de inadimplentes totais acima de 90 dias chegou a 2,83% no primeiro trimestre desse ano, uma diminuição de 0,7% em 12 meses. Os gastos com a provisão para devedores duvidosos foram de R$ 5,173 bilhões, apresentando um crescimento de 35,8%, em relação com o primeiro trimestre de 2016, que totalizaram R$ 3,809 bilhões.

Os números do crédito habitacional tiveram um aumento de 6% de aumento em 12 meses, um saldo de R$ 412,9 bilhões, dos quais R$ 200,8 bilhões com recursos Caixa/SBPE, R$ 211,3 bilhões com recursos FGTS e R$ 700 milhões de outros recursos.

Com pessoas físicas, as transações comerciais alcançaram valores no total de R$ 101,9 bilhões, uma diminuição de 0,6% em 12 meses. As transações desse segmento de pessoas jurídicas tiveram um saldo de R$ 87,7 bilhões nos primeiros três meses do ano, uma redução de 7,8% em 12 meses, esses números mostram quedas, devido ao baixo comportamento da economia no país.

No caso da poupança, o aumento foi de 5,6% em 12 meses, com um saldo de R$ 252,9 bilhões. No mês de março desse ano, o banco apresentava um total de 70,4 milhões de contas de poupança, um aumento de 5,5 milhões de contas, em relação ao mesmo mês do ano passado.

Em 12 meses, as despesas administrativas aumentaram 10,3%, geradas pelo aumento de 17,2% nas despesas com pessoal, que cresceram por causa do Programa de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE) . Esse programa contou com a adesão de 4.429 empregados, e o aumento sem contar com esses gastos chegou a 6,1% em 12 meses. Os outros gastos administrativos diminuíram 1,8% em 12 meses e 15,8% em comparação ao quarto trimestre de 2016.

Segundo a Caixa Econômica Federal, o resultado operacional atingiu R$1,9 bilhão no trimestre, apresentando uma melhora de 420% em relação ao mesmo período de 2016.

Nos números do crédito rural, os valores chegaram a R$ 7,5 bilhões, um aumento de 4,1% em 12 meses, sendo que 3% de participação do mercado, se destacando o modelo disponível para Pessoa Jurídica, que obteve um aumento 32,4% em relação ao mesmo período do ano passado.