Bolsa americana regista uma leve subida após investidura de Donald Trump

No dia da tomada de posse de Donald Trump, a bolsa americana registou uma subida ligeira ao final do dia, apontando para um sinal de estabilização para a primeira sessão do presidente eleito, em detrimento do normal entusiasmo que ocorre no dia de sucessão dos presidentes americanos.

Analisando os principais mercados americanos podemos verificar que Dow Jones subiu apenas 0.48%, ficando-se pelos 19827,25 pontos, o NASDAQ teve uma subida ligeira de 0.28%, ficando-se nos valores de 5555,33 pontos e, por último, o Standard & Poor’s 500 que ganhou 0,34% e fechando o dia com 2271,31 pontos. Uma das empresas que mais lucrou no dia de hoje foi a petrolífera West Texas que duplicou a subida e atingiu os 52,42 dólares.

Segundo os especialistas e analistas financeiros, estes resultados ao final do dia são o resultado das palavras proferidas por Donald Trump durante o seu discurso na tomada de posse como 45º presidente dos Estados Unidos da América, em que decidiu dar ênfase para realizar obras públicas, como pontes e estradas, para além de estimular a preservação de postos de trabalho americanos com a redução substancial de impostos para as empresas americanas. De facto, este discurso incentivou a bolsa americana nos primeiros meses após consumada a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos da América, porém o entusiasmo evidenciado nos primeiros meses foi esmorecendo no último mês na expectativa de saber como será realmente o início do governo de Donald Trump. A nomeação do presidente americano para alguns cargos, como a nomeação de Steve Mnuchin como Secretário do Tesouro, também não ajudou a bolsa americana que está receosa de algumas medidas mais severas e radicais deste governo.

De facto no dia de hoje, os investidores decidiram investir em alguns ativos que são considerados como um refúgio, como o ouro, em vez de colocarem o seu dinheiro em ativos empresariais, sendo que a banca foi um dos sectores mais prejudicados continuando os resultados negativos obtidos no dia anterior. Resumidamente, as acções norte-americanas têm vindo a perder dinheiro ao longo desta semana, somando a quarta semana de prejuízo num total de cinco semanas. Apenas nesta semana, as bolsas americanas registaram uma perda de 2,5 bilhões de dólares.

Receita Federal anuncia incorporação de novas tecnologias relativas ao CPF que facilitam a vida do contribuinte

A Receita Federal anunciou em janeiro a implementação de duas inovações tecnológicas a respeito do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), são elas a possibilidade de alteração de dados via internet e a comprovação de autenticidade do comprovante de inscrição no CPF. São medidas pontuais, voltadas para pessoas físicas, mas que denotam a incipiente informatização de processos por parte da Receita Federal, passo fundamental para destravar a burocracia brasileira, um dos obstáculos à economia do país.

A primeira medida, que entra em vigor a partir do dia 16/01/2017, consiste na disponibilização de uma plataforma virtual pela qual será possível alterar dados do CPF. Assim, a alteração deixa de ser exclusivamente presencial, podendo ser realizada virtualmente. As vantagens oferecidas por esse novo recuso são a gratuidade – em alterações presenciais as taxas podem chegar até a R$7 – e a disponibilidade do serviço de 24 horas por dia.

As informações possíveis de serem alteradas são:

  • Endereço;
  • Nome (devido à casamento ou divórcio)
  • Inclusão do título de eleitor (para pessoas que não possuíam título eleitoral no momento de cadastramento do CPF);
  • Correção de dado cadastrado incorretamente na inscrição.

Contudo, ainda será possível alterar esses dados presencialmente em agências do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal, dos Correios ou representações diplomáticas brasileiras no exterior.

Outra medida de informatização adotada pela Receita Federal é a emissão de novos modelos de comprovantes de inscrição e situação cadastral no CPF. Esses documentos são impressos pelo site da Receita Federal a fim de servirem para a comprovação de que um indivíduo se encontra cadastrado no Cadastro de Pessoas Físicas, uma vez que a emissão dos tradicionais cartões de CPF deixou de ser realizada. No entanto, com o fim dos cartões plásticos de CPF emitidos pela receita, a possibilidade de problemas com os números de CPF, como cancelamentos ou roubos aumentou.

Nesse sentido, passou-se a realizar a verificação da autenticidade de tais documentos por meio do próprio site da Receita. Essa confirmação, contudo, exigia que fossem inseridos os dados, na íntegra, do número do CPF, Código de Controle, Data de Emissão e Hora de Emissão. A fim de facilitar esse processo, serão emitidos comprovantes de inscrição e situação cadastral no CPF que contém um código de autenticação digital chamado de QR Code.

O QR Code, termo em inglês que corresponde à Código de Resposta Rápida, é um código de barras cuja leitura pode ser efetuada rapidamente a partir da câmera de um celular que esteja conectado à internet e a leitura do código pelo aparelho redireciona à um conteúdo online. Dessa forma, com a popularidade dos smartphones, a presença de um QR Code nesse documento emitido pela Receita Federal permite que se verifique a autenticidade em poucos segundos, dificultando falsificações, uma vez que a replicação de um código de barras e de um endereço eletrônico.

Dessa forma, a partir da incorporação de tecnologias simples, dois processos que demandam uma quantidade de tempo e trabalho significativa serão dinamizados. A Receita Federal pretende alcançar 191 milhões de contribuintes com a disponibilização da plataforma digital para alteração de dados cadastrais, população essa que estaria relegada a usar as agência bancárias ou correios, que já possuem uma demanda para outros serviços.

 

 

Obra de Construcap conquista o Selo Platinum da certificação Leed

A Arena Mineirão, concluída em 2013, conseguiu o Selo Platinum certificação Leed. Este Selo nos dias de hoje é apontado o certificado essencial para edificações no país e é um dos mais utilizados métodos de certificação de obras que seguem os princípios de uma construção adequada e sustentável. Este empreendimento foi concretizado por um consórcio comandado pela Construcap.

A maior grau de certificação Platinum, é a certificação Leed, Concedida para apenas duas arenas de esporte em dez anos: a arena Mineirão, situada no território nacional e comandada pela Construcap, e uma outra Arena que pertence a Universidade do Texas, nos EUA.

A obra da Construcap que ganhou o selo, ainda posicionou o nosso país na quarta posição do ranking mundial dos países preocupados e empenhados com a construção sustentável.

O órgão que tem responsabilidade de certificar as obras no nosso país é o USGBC (U.S. Green Building Council). Para ter a possibilidade de receber este selo é necessário cadastrar a construção na plataforma Leed Online, e depois disso as obras, desde seu inicio, são orientadas por diversos princípios e ações que tornem o empreendimento sustentável, e assim concedido com o selo. Dentre os critérios necessários, o de sustentabilidade é o principal a ser seguido, como o uso consciente e racional de água, melhorar o uso de energias, reciclagem de materiais, inovação tecnológica, e adequação as necessidades locais em que a construção é feita.

Os sistemas de avaliação Leed consideram certas exigências e créditos. Estas exigências são obrigatórias e devem ser supervisionadas em todo projeto certificado pelo Leed, para que seja cumprido. Foram criadas categorias para os selos, com o intuito de avaliar o grau de engajamento com sustentabilidade, avaliadas pela USGBC, e cada uma tem uma determinada pontuação. A pontuação máxima que uma obra consegue receber é a de 110 pontos. O selo Leed é concedido a obras que conseguem atingir 40 pontos. Já o Leed Silver é concedido a obras que conseguem superar os 50 pontos. A certificação Leed Gold é para 60 pontos.

A maior categoria existente é a Platinum, e para adquiri-la é necessário alcançar no mínimo de 80 pontos, atendendo a todos os requisitos. Esta categoria foi a que a arena do Mineirão conquistou, comandada pela Construcap.

Para a Construcap com esta obra alcançar o nível de sustentabilidade exigida, ela fez inúmeras ações na obra. Desde o projeto foram feitas modificações para que o ambiente tivesse uma boa circulação de ar, o que transformasse a climatização de forma mais eficiente, fazendo com que se gastasse menos energia. Também foi implementado um sistema de captação e armazenamento de água, que é utilizado para irrigação e abastecimento dos vasos sanitários, o que faz uma economia muito grande, reduzindo gastos.

Em relação a energia a arena tem painéis solares, capaz de gerar energia para 1.200 casas, também economizando muito e ajudando o meio ambiente.

Este empreendimento também pensou nos resíduos e distúrbios gerados, e para evitar isso, como por exemplo o lixo, foi criado um sistema de coleta, o que possibilita quase cem por cento do lixo.

Donald Trump e a nova Economia Mundial

Na próxima sexta-feira teremos a posse do novo presidente dos Estados Unidos: Donald Trump. Com uma vida polêmica o com uma vitória inesperada por muitos, fez com que o mundo das finanças se movimentasse apenas com a notícia de que o então polemico magnata, Donald Trump, Seria o novo homem mais poderoso do mundo.

Donald Trump tem uma série de ideias políticas que podem não só mudar a economia americana, mas como também a economia global, uma destas ideias políticas e a de protecionismo da indústria americana, aumentando tarifas para produtos importados, principalmente os provenientes da China.

Mas o que isso tem haver com o Brasil? Como tal ação poderia afetar a economia brasileira? A resposta podemos acompanhar pelos seguintes fatos a seguir:

Boa parte das exportações da China em 2014, para ser mais preciso, números próximos de 20% foi exportado para os EUA, o que corresponde a quantia de US$ 433 Bilhões, é um número expressivo, como referência, podemos apresentar que as exportações totais do Brasil, para todos seus parceiros comercias, foi em 2014 US$ 228 Bilhões, ou seja, a China exporta sozinha, para um único de seus parceiros, quase duas vez a exportação total brasileira.

Ao efetuar tal comando, Trump, que promete focar em resultado para indústria americana, resolva proteger como indicado, seu parque industrial, promovendo tarifas contra a importação de produtos chineses, afim de que a população encontre cada vez mais caros tais produtos, e passem a procurar mais por produtos produzidos dentro do território americano, fará com que o estoque de produtos Chineses aumente. Com isso a China deve procurar economias possam absorver tal excesso de sua produção que não mais são consumidos pelos EUA.

Uma destas economias pode ser sem dúvida o Brasil, afinal muitos dos produtos que hoje consumimos são importados da China. A partir deste ponto que podemos ter alguns problemas se o país não se preparar para essa nova ordem glogal que pode ser iniciada.

Um deles é que receberemos grande quantidade de produtos chineses, muito mais baratos que os nossos nacionais, basicamente por conta do baixíssimo valor pago a um trabalhador chinês. Uma concorrência sem dúvida alguma desleal, que poderáa guiar muitas empresas nacionais a encontrarem dificuldades financeiras e comerciais.

Isso pode implicar que o país tenha reversão de seu PIB Negativo, de forma recuperação esperada ainda mais lenta do esperado para 2017.

Em meio a esta situação, duas ações podem ser tomadas para que nossa economia possa continuar crescendo: uma delas seria ir na mesma direção de Donald Trump, promovendo tarifas sobre importação de produtos chineses. A segunda é promover e atrair investimentos para o parque industrial brasileiro, afim de tornar nossa indústria mais tecnológica e competitiva contra produtos chineses de baixo custo e muita das vezes com boa quantidade de tecnologia inserida em sua produção. Cabe aos dirigentes da nação avaliar a melhor alternativa para o país.

A partir de Sexta-feira, dia 20, já poderemos começar a ter mais clareza de qual rumo tomará a economia mundial.

 

 

Em direçao do caminho ao sucesso com Mullen Lowe Brasil

Mullen Lowe Brasil, sua história começa de uma forma simples e engraçada, quando dois criadores decidem abandonarem suas carreiras para construírem uma agência de publicidade no fundo do quintal da casa de um dos criadores, pois, não encontraram apoio financeiro. Dessa forma, se dedicaram na cara e na coragem. Erh Ray e José Borghi, tais criadores que inicialmente atribuíram o nome de Borghierh de sua empresa. Esta foi ativada em 2002 quando ganharam clientes fiéis como Shopping Iguatemi, Ox e Matec.

No decorrer dos anos Borghierh necessitou-se passar por mudanças, pois, Erh Ray de desintegrou-se, restando apenas José Borghi. Borghi Lowe passou a se chamar e ganhando destaque no mercado. A cada dia ela fazia sucesso, vários clientes a optarão como a Uol, Ministério da Saúde, Caixa Econômica Federal, Ericsson e Unilever. Entretanto, DINO divulgador de notícias https://www.dino.com.br/releases/a-historia-do-nascimento-da-mullen-lowe-antiga-borghi-lowe-dino89074599131 destacou que o nome foi mudado devido a fusão entre a Mullen e a Lowe&Partnerrs. A Mullen Lowe Brasil recebeu diversos apoios, desde então, esta empresa tem feito sucesso no mercado e na vida dos empresários. Em 2015 Mullen Lowe Brasil recebeu novas direções, o brasileiro André Gomes participou da liderança, assim mais uma vez mudando o nome para Mullen Lowe Group a fim de que toda rede Lowe migrassem para marca Mullen Lowe Group.

As atividades exercidas na agencia foram divididas entre o tradicional criador José Borghi e o novo líder André Gomes. Borghi ficou responsável criações de artes e renovações, enquanto Gomes, assumiu a parte da operação da agência. Segundo o Site RN, de acordo com as palavras de Borghi, destacou que a divisão foi necessária com o propósito de focar nas criatividades da empresa da ´´Mullen Lowe Brasil´´. Ela conquistou como a quarta maior agência de Publicidade no Brasil, é considerada como a voz do pais, diversas empresas a escolhem como meio de publicação e por recompensa disso, cresce juntamente com a Mullen Lowe, pois, recebem um destaque sem igual no mercado e conseguido vários clientes.

Tudo depende de uma boa administração, foco e coragem para que um bom negócio ande para frente, a Mullen Lowe Brasil, seguiu esses passos por meio da simplicidade, atualmente é considerada uma das maiores empresas do Brasil. Hoje possui tem uma finalidade de elevar o share of attention das marcas para os clientes a níveis desproporcionais. Ela é um exemplo para as demais empresas que querem seguir o mesmo rumo, ao caminho do sucesso por meio da simplicidade e perseverança.

 

Produtos e serviços típicos do verão estão cada vez mais altos, segundo FGV

O que ninguém pode negar é que no verão se gasta mais que o normal. Já começam os gastos no fim de ano mesmo, com os presentes e as festividades de réveillon, depois, já no ano novo, entre os meses de janeiro e fevereiro, quando normalmente se está de férias, vêm os gastos com viagens, hotéis, finais de semana em praias e tudo mais. E quem não é muito rico, ao menos espera boas promoções, descontos, enfim oportunidades de desfrutar de tudo isso sem ficar no vermelho. Mas, infelizmente, as notícias não são das melhores. Longe do esperado, segundo os resultados de um estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), com 22 itens consumidos costumeiramente no verão, houve um aumento nos seus respectivos preços, cuja a variação média foi, em média, de 9,25% entre janeiro e dezembro de 2016, quando comparado com o mesmo intervalo de tempo no ano de 2015. Para alguns, um fenômeno que poderia até ser chamado de “inflação do verão”.

 

De acordo com o instituto, esse montante de produtos e serviços registrou inflação maior que o IPC (sigla que significa Índice de Preços ao Consumidor), da FGV, que fechou o ano passado em alta, mais precisamente de 6,18%. Em nota, também observaram que os aumentos mais expressivos se deram, em ordem crescente, com as frutas, de 14,99%; com os refrigerantes light e diet, de 16,16%; e, para a infelicidade de muitos, com as passagens áreas, que chamaram, inclusive, de “principais vilões”, dado o aumento médio de 35,92%.

 

No entanto, ainda que tenha havido a referida inflação na maioria dos itens típicos dessa estação do ano, alguns fugiram à regra, ficando então mais baratos, com a considerável queda nos preços. Foram estes, segundo o Ibre/FGV, em ordem decrescente de desconto, a erva mate, com -12,05%; hospedagens em hotéis, com -1,62%; e as excursões e tours, com -1,56%.

 

E não faltaram as tentativas de explicar o que teria ocasionado essa lastimável situação. O Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas, ainda na já referida nota, justifica o caso mais alarmante deles, dizendo que as passagens aéreas permaneceram em um patamar elevado, por uma consequência da diminuição na concorrência, além, é claro, da influência do dólar. E ainda lembrou André Braz, do referido estudo o autor, que houve, de forma geral, um aumento na taxação das bebidas.

 

Apesar desse aumento de alguns itens com inflação maior que o IPC, outros itens, também de consumo típico do verão, subiram menos que este já citado índice. Podemos citar, como exemplo, e em ordem crescente de aumento, o ar condicionado, com 3,13%; a geladeira e o freezer, com 3,47%; e também os ventiladores, tão indispensáveis no calor dessa época do ano, com 5,96%. E, por falar em calor, é notável que sua forte incidência, como notado nos últimos dias, acabará por manter os tais preços pressionados. Ao menos, é o que conclui Braz, dizendo que, por conta do intenso calor, os preços podem ainda aumentar mais, em consequência da lógica de oferta e procura. Assim, finaliza dizendo ser essa inflação medida, em verdade, aquela que se acumulou desde o verão passado até o deste ano.

 

Exportação de calçados cresce 4% em 2016, segundo pesquisa.

Segundo informações divulgadas pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados, a Abicalçados, o Brasil teve uma recuperação significativa nas exportações do produto no período de 2016. Apesar da baixa evidente de vendas do ramo no mercado brasileiro, a exportação registrou uma elevação considerável tanto em volume de vendas quanto em dólares obtidos. A taxa de venda dos produtos nacionais ao exterior obteve altas respectivas de 1,7% e 4% no ano passado. Segundo os dados da entidade, o aumento nas vendas gerou para a receita do país um total de 999 milhões de dólares em 2016.

 

A Abicalçados destacou que as altas nas vendas eram registradas desde agosto de 2016, mas que apenas no mês de outubro é que os resultados impressionaram os especialistas. Só em dezembro, foi gerado um valor de 128 milhões de dólares em virtude da venda de cerca de dezoito milhões de pares dos produtos. O valor alcançado foi 62% maior que os índices de venda de novembro, e 7% superior às vendas registradas no mesmo período de 2015.

 

Maiores compradores

 

De acordo com a pesquisa, o maior comprador de calçados brasileiros em 2016 foi o EUA, responsável pela aquisição de 13,24 milhões de pares. O volume representa 221,36 milhões de dólares em dinheiro, 15,4% a mais que o valor obtido no ano de 2015.

 

Em segundo lugar na classificação dos importadores aparece a Argentina, com cerca de 9,48 milhões de pares de calçados comprados, ou 111,6 milhões de dólares. Em terceiro lugar vem a França (9 milhões de pares e US$ 56 milhões), seguida do vizinho Paraguai (14,53 milhões de pares e US$ 47,43 milhões). A Bolívia ficou na quinta posição, com cerca de 6,36 milhões de pares adquiridos, um total de 45,46 milhões de dólares.

 

Estados

 

A pesquisa da Abicalçados também fez um levantamento sobre as fontes de exportação estaduais. Segundo os dados do estudo, o Rio Grande do Sul foi quem mais exportou no ano passado, cerca de 28,7 milhões de pares de produtos. O volume de vendas gerou uma renda de 436 milhões de dólares, índice 17,8% maior que o alcançado em 2015.

 

O estado do Ceará aparece em segundo lugar no volume de exportações, com 48,3 milhões de pares vendidos pelo valor de US$ 207,77 milhões. Em terceiro, vem São Paulo: 9 milhões de pares exportados por US$ 107,74 milhões. O quarto lugar, na pesquisa, ficou com o estado da Paraíba, que exportou 23,55 milhões de pares do produto, gerando um valor de 66,36 milhões de dólares para a economia.

 

Importação de calçados

 

Já no que se refere à importação de calçados pelo mercado brasileiro, os índices mostraram uma queda acentuada no período de 2016. Os importadores mais significativos para a economia nacional são os países do Vietnã, da China, da Indonésia e da Itália. De acordo com as análises dos especialistas da Abicalçados, o motivo principal para a queda das taxas de importação foi a retração da demanda nacional no período, pelo menos no que diz respeito aos produtos desses países.

 

 

 

 

INTEGRAÇÃO E INOVAÇÃO – MULLEN LOWE BRASIL E A SOLUÇÃO QUE O MERCADO ESPERA DAS AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE

Os números são impressionantes e assustadores: estudos indicam que recebemos mais de 1.600 mensagem publicitarias em um único dia. Os meios por onde elas chegam são os mais diversos possíveis: televisão, rádio, celular, outdoors, redes sociais, e-mails, panfletos, revistas, aplicativos e uma infinidade de outros que surgem com frequência cada vez maior.

Com isso, temos consumidores cada vez mais sobrecarregados e, consequentemente, seletivos. Com uma revolução tecnológica latente e uma sociedade cada vez mais conectada e menos impressionável, prender a atenção do consumidor por apenas alguns segundos tornou-se um grande desafio para as agências de publicidade frente a um mercado que não engole mais qualquer tipo de propaganda.

A boa notícia é que já é possível encontrar agências que despertaram para este novo cenário e já se movimentam em direção à uma nova maneira de fazer publicidade. Com quase 15 anos de atuação no mercado brasileiro, a agência Mullen Lowe Brasil, integrante do reconhecido grupo Mullen Lowe (sede em Londres e cerca de 90 escritórios em mais de 65 países), passou, no segundo semestre de 2016, por uma reformulação de posicionamento e acertou bem no alvo: a aposta da empresa é na integração.

A Mullen Lowe Brasil acredita em times de profissionais de alta performance fortemente alinhados, planejamento cuidadosamente desenvolvido junto ao cliente, pesquisa de mercado, balizamento correto do trabalho de criação digital, PR, mobile, design e mídias sociais e muita comunicação.

Dirigida pelos empresários José Borghl e André Gomes, a Mullen Lowe Brasil entendeu a mudança do mercado em que atua e investe todas suas fichas na comunicação como parte fundamental do processo de criação, desenvolvimento e execução, além de levar totalmente a sério os princípios de coragem, criatividade e competitividade, desafiando a originalidade e entregando aquilo que promete: inovação.

O resultado é um trabalho de êxito, com clientes maximizando oportunidade, apresentando soluções que aumentam o share of attention e share of voice das empresas, consumidores que se tornam parte atuante e pensante do processo. Prova disso é a reunião de cases de sucessos e clientes de peso que a Mullen Lowe Brasil traz em seu portfólio.

Departamentos que se comunicam, pessoas que tem espaço para expor suas ideias, empresas-clientes que são entendidas e consumidores que são escutados têm o poder de impactar, inovar além do esperado e causar o engajamento perfeito entre todas as partes relacionadas. E isso, é o que se espera do novo formato de trabalho das agências de publicidade e propaganda, e que o modelo introduzido pela Mullen Lowe Brasil seja cada vez mais comum.

Alternativas para quem está desempregado

A ideia de ficar desempregado e sem uma renda fixa assusta muita gente, ainda mais em tempos de crise onde as perspectivas para retornar ao mercado de trabalho diminuem por causa da concorrência. Algumas pessoas optam por estudar, outras por abrirem o próprio negócio e algumas a mudarem de carreira. Não existe uma formula perfeita, mas existe alternativas para driblar a crise, o desemprego e até encontrar satisfação profissional.

 

Para quem deseja voltar para o mercado de trabalho deve se atentar as dicas do que fazer para se destacar:

 

Estudar: Se você está satisfeito com seu ramo de atuação pode pensar em se especializar para se destacar dos demais concorrentes. Além de se especializar é importante estar sempre por dentro das novidades e a frente para ingressar no mercado de trabalho. Porém para os que ainda não encontraram ou estão insatisfeitos com a área em que atuam, podem procurar se formar em algo que de fato deseja. Estudar irá diferencia-lo em conhecimento, mas deve ser analisada a importância desse investimento e se ele irá ter retorno. Não adianta se comprometer com algo que não gosta e que não irá usar.

 

Carreira: Mudar de carreira pode ajudar se você não está satisfeito com o trabalho que vem desenvolvendo. Para isso você precisará estudar e se comprometer de começar algo do zero. Avalie como está o desenvolvimento econômico do setor que deseja trabalhar para não ficar sem trabalho também nesse ramo.

 

Oportunidades: Fique atento as oportunidades das empresas que você visa trabalhar e não tenha vergonha de pedir ajuda ou recomendações de amigos, parentes e conhecidos. Contar com carta de recomendação também pode auxiliar na decisão do contratante.

 

Muitos empreendedores surgem do momento de crise, sendo uma solução e até descobrimento pessoal para sobreviver e emergir financeiramente. Se você deseja realizar o sonho do próprio negócio não deixe de ver o que fazer para entrar nesse ramo:

 

Estudar: Assim como para quem deseja retornar ao mercado de trabalho, quem quer ser empreendedor tem que estudar e desenvolver estratégias que facilitem solucionar problemas. Além disso é preciso estudar o mercado que deseja atuar, qual a melhor forma de atuação e estar por dentro de novidades relacionadas ao setor.

 

Planejar: Tanto para traçar metas, quanto para o amadurecimento da empresa é preciso fazer um planejamento. As ideias iniciais devem girar em torno de um ramo que você possua certo conhecimento e que tenha prazer em fazer, pois isso irá facilitar o desenvolvimento do negócio. Após decidido o ramo de atuação é preciso pesquisar inovações para que seu negócio tenha destaque no mercado.

 

Decidir se será físico ou não: Dentro os diferentes setores do mercado, existem negócios físicos e não físicos. A decisão deverá ser levada em conta com o produto que será comercializado, como por exemplo: produtos perecíveis ou que precisam de uma fabricação física irão necessitar de um espaço físico e infoprodutos ou propriedades intelectuais podem ser trabalhados sem um espaço físico.

 

Existem ainda outras ideias que podem auxiliar como rendas extras e até fixas como:

 

Vender produtos usados – além de proporcionar limpeza ajuda na obtenção de dinheiro rápido.

Dar aulas – o que pode ser prazeroso para quem tem um conhecimento especifico sobre algo que poderá ajudar outras pessoas.

Prestar serviços de assistente virtual – algumas empresas terceirizam esse tipo de serviço e algumas pessoas solicitam uma assistência para agendar e organizar serviços burocráticos.

Redator – pessoas com habilidade em escrita podem se aventurar pelo mercado da escrita produzindo conteúdos para plataformas online.

 

Veja mais dicas do que fazer para ganhar dinheiro.

 

Como economizar em diferentes situações

Em função da crise econômica do país surgiram muitas contas, dívidas, preços de produtos e serviços mais altos, fatores que contribuem para estourar o orçamento de qualquer pessoa. Por mais que a crise interfira em muito no orçamento, gastos desnecessários e fora do momento certo também atrapalham no rendimento mensal. A solução mais simples para pagar todas as contas e continuar fazendo tudo que gosta é economizar o máximo possível. Planejar e economizar não é uma tarefa tão difícil quanto parece, para isso estão aqui reunidas algumas dicas para economizar em diferentes ocasiões e situações do dia a dia.

 

Como reduzir os gastos com despesas necessárias?

 

Primeiramente para reduzir os gastos deve ser avaliado cada item e verificar sua real necessidade. Itens como conta de luz, água e telefone são realmente importantes. Ainda assim existem meios de economizar reduzindo os gastos.

 

Conta de luz: Os banhos demorados principalmente no inverno são os maiores vilões no consumo de energia elétrica. Por isso dê ênfase por um banho rápido e de preferência na posição verão do chuveiro, isso irá contribuir em até 30% de economia de energia. Outra dica é não deixar lâmpadas acessas sem uso, porém evitar também acender e apagar continuamente e usar apenas quando for necessário. Existem no mercado lâmpadas mais econômicas como a lâmpada de LED que deve substituir as mais antigas que consomem mais energia.

 

Conta de água: O maior volume de água utilizado por famílias também é através do banho demorado. Além de economizar na energia elétrica, tomar banhos rápidos irá reduzir os gastos na conta de água. A reutilização da água da máquina de lavar roupa para lavar o carro, a calçada e o quintal também irá contribuir e cortar desperdícios desnecessários.

 

Telefone: Algumas operadoras de telefonia oferecem descontos para planos familiares que acabam sendo mais vantajosos que manter uma linha telefônica. Nesse caso pode ser avaliado a necessidade de manter a linha e se for o caso, evitar usar serviços fora do plano contratado.

 

Como reduzir os gastos com compras e lazer?

 

Supermercado: Antes de sair para fazer as compras do supermercado analise o que comprar e faça uma lista. Tão importante quanto fazer a lista é segui-la minuciosamente. Para evitar comprar o que não deve, não vá as compras com fome e evite levar crianças, pois elas podem acabar insistindo e obrigando os pais a cederem. Outra forma de economizar no supermercado é aproveitar os dias de ofertas que costumam ser diferentes para cada setor de compra.

 

Passeios: Busque alternativas de lazer que sejam mais baratas. Passeios em família podem ser feitos ao ar livre em praças, ou aproveitando as sessões mais baratas de cinema e teatro. Outras alternativas de lazer são os eventos culturais da cidade que costumam ser de graça.

 

Passagens aéreas: Para conseguir passagens baratas a compra e a escolha do destino devem ser feitas com antecedência. Os dias de semana costumam ser mais baratos também.

Beleza: Dedique-se a fazer em casa coisas que costuma fazer em um salão de beleza. Muitas delas não há necessidade de outra pessoa fazer por você, como fazer as unhas e hidratar o cabelo.

 

Material Escolar: Para quem tem filhos sabe que essa é uma despesa que pode pesar no orçamento, no entanto se as compras forem feitas com planejamento e bastante pesquisa é possível economizar. Comprar com outros pais em atacado também contribui para a economizar dinheiro.

 

Veja mais dicas para economizar em diferentes fases da vida.